Consumo Consciente

O consumo plus size em brechós

O consumo plus size em brechós é para todos?

Vocês sabiam que metade da população brasileira é gorda? Segundo dados de uma pesquisa do IBGE de 2020, 60,3% da população brasileira apresenta sobrepeso, ou seja, são gordos. É válido destacar que nem todos os obesos podem ser considerados doentes, já que os métodos para essa avaliação (IMC), já foram desqualificados inúmeras vezes.

Mesmo sendo a maioria no país, os gordos não tem vez, o mercado de roupas plus size é muito segmentado, e mais caro, excluindo os próprios consumidores alvo. Marcas nacionais chegam a cobrar R$350,00 por um vestido de malha longo. Se para quem faz parte da burguesia esse valor é acessível, para os demais, não. 

Por isso o consumo plus size em brechós e bazares são uma ótima opção, e até mesmo uma necessidade, para quem procura roupas com preço justo. Eles atendem diferentes públicos, de vários nichos econômicos. 

O dilema é: por que é tão difícil encontrar roupas plus size em brechós?

Por mais óbvio que pareça ser é por falta de roupas plus size disponíveis no mercado. Mesmo que existam marcas especialistas em roupas grandes, ainda é difícil passear em um shopping e encontrar roupas que sirvam em qualquer loja. Empresas de fast fashion como C&A e Marisa até possuem departamentos específicos para moda plus, mas lojas como FARM, por exemplo, não. Ainda é escasso o acesso a roupas plus size para todos. 

Outra questão que torna o acesso escasso em brechós é a alta procura. Os brechós que revendem roupas plus size geralmente vendem essas peças muito rápido, assim que colocam na banca já aparecem compradores. Ressalto que neste caso estamos falando em lojas físicas.

E o terceiro motivo também não é de se espantar, assim como a FARM não vende roupas plus size, alguns brechós não tem interesse em revender. 

Eu, por exemplo, cresci usando roupas de bazar e nunca me importei com isso. A minha mãe sempre garimpava pelos brechós da cidade e, com isso, acabava encontrando peças legais. Por influência dela, sempre frequentei esses e peguei gosto. Adoro um brechó. Sempre tive muita sorte, porque sempre consegui encontrar peças bem legais. Depois da pandemia, dei uma parada de frequentar os brechós, mas ainda tenho muitas roupas de lá.

Assim como eu, mulheres entre 18 e 25 anos adoram um brechó, segundo dados de uma pesquisa realizada pela Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, desde o ano de 2015, a procura por brechós aumentou drasticamente. 

Pensando em uma maneira de ajudar vocês, pessoas gordas a encontrarem looks legais e com preços bons, separamos alguns perfis de brechós online que vendem tamanhos plus size. 

@pannosbrecho 

do 46 ao 62+ (online)

@choquesize 

Do 46 ao 58 (online)

Se você está sempre em busca de uma vida mais sustentável e conectada com o meio ambiente, aproveite para acompanhar o blog da ciclou e nossas redes sociais!

Você também pode se interessar:

One thought on “O consumo plus size em brechós

  1. Avatar de Amanda Amanda disse:

    Adorei !!!

Comments are closed.